domingo, 22 de janeiro de 2012

Dois Pesos e Duas Medidas - Avaaz, e outras hipocrisias



"A Avaaz é um aliado e um espaço de manifestação para pessoas oprimidas e injustiçadas, ajudando a criar mudanças reais. "

Está escrito assim na página inicial do site da organização Avaaz (http://www.avaaz.org), uma organização que afirma "mobilizar pessoas de todos os países para construir uma ponte entre o mundo em que vivemos e o mundo que a maioria das pessoas querem."

No entanto, curiosamente a organização se mostra dúbia, ausente, e inativa em relação a determinados "assuntos", sobretudo quando as pessoas oprimidas e injustiçadas são muçulmanos e muçulmanas vítimas de preconceito religioso e truculência instituída.

Porque será que esta organização que se mobiliza tantas vezes, se mostra assim? Agindo com dois pesos e duas medidas? Eu não sei a resposta disto, mas só posso considerar hipocrisia a atitude de uma organização que diz agir sobretudo em situações de crise e emergência, mas nada fez para defender as mulheres muçulmanas que usam niqab, munaqabat como eu, na França e em outros países do continente europeu, quando estas, que são filhas, mães de família, trabalhadoras, cidadãs, irmãs, esposas, são presas como criminosas e maltratadas por causa de sua escolha pessoal e de sua religiosidade.

Eu sempre participei das campanhas da Avaaz, e agora por conta desta percepção decidi não mais participar até que eu tenha uma explicação clara sobre esta falta de atitude em relação a estas mulheres que são justamente oprimidas e injustiçadas por um estado truculento e preconceituoso.

Mas não vemos isto apenas em relação a esta organização, e sim em grande parte do ocidente, onde uma população emburrecida e dominada por uma imprensa que sempre traz em seu bojo segundas e terceiras intenções, e cujo principal foco de atuação é a DEFORMAÇÃO e não a informação, é a DIREÇÃO DA FORMAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA, segundo objetivos claramente definidos e de fácil leitura para quem se aventurar a observar a atuação desta minuciosamente.

Senão vejamos: Já repararam como é difícil para uma pessoa que vive no Ocidente, perceber naturalmente que o mundo não é só o Ocidente? Que existe o outro lado de um mesmo planeta? Que há sim diferenças entre países, regiões, continentes, mas também há muita igualdade ou equivalência?

E, falando no caso específico de nós munaqabat, já repararam na incongruência entre o que a imprensa "informa" aqui no ocidente, ou seja, que nós munaqabat somos oprimidas, excluídas, obrigadas a nos cobrir por nossos pais, maridos e parentes homens, quando na verdade quem sai às ruas de Paris e outras cidades da Europa para protestar de forma clara e atuante contra a absurda injusta opressiva e preconceituosa, senão desumana, proibição de usarmos os nossos niqabs somos nós MULHERES? E não os nossos homens?

E, no rastro de toda esta desinformação plantada no Ocidente pela mal intencionada imprensa e pelos órgãos de informação e mídia, vemos a atitude absurda de algumas pessoas que simplesmente aplaudem medidas cretinas como esta da França, um país que já foi o arauto da cultura e do refinamento no mundo, e que envelheceu, e decaiu como vem decaindo, economicamente, socialmente, moralmente.

No caso específico da França, o uso de niqab e burcas foi proibido a partir de abril de 2011 e causou a prisão de várias mulheres, sendo que a primeira cidadã francesa a ser arbitrariamente algemada em público e presa, é uma mãe de uma menina de 4 anos, divorciada. Seu nome é Hind Ahmas.


"Vivo como qualquer mulher, a única diferença é a minha escolha de vestimenta", afirma Ahmas. E de fato somos apenas mulheres, mães de família, esposas, avós, filhas, profissionais de vários setores, algumas de nós são professoras, médicas, psicólogas, donas de casa, e o que nos diferencia é algo que todo ser humano tem ou pelo menos DEVERIA ter direito: opção religiosa, e escolha de vestimentas.


"Retirar o niqab significaria renegar a minha fé. Faz quase sete anos que uso o véu integral, muito antes das discussões sobre a lei. Não cubro o rosto por provocação ou porque o assunto está na moda" ,dia Ahmas, que mora em Aulay-sous-Bois, uma periferia pobre de Paris.


"Eles queriam me revistar e exigi que fosse uma policial feminina. Mas não precisavam me algemar, foi abuso de autoridade."


Ela considera que a condenação na Justiça é "uma excelente notícia porque dá destaque para o assunto e representa o ponto de partida para conseguir a revogação da lei." E afirma: "O governo francês criou a lei do véu integral por motivos eleitorais, para desviar a atenção em relação aos reais problemas do país..."



Hind Ahmas sendo presa na França


Diante das impressionantes e brutais cenas de prisão de mulheres na França, o mundo pouco se mexeu para protestar, e a organização Avaaz NADA FEZ CONTRA ISTO.

Mas, não é a própria organização que diz ser um espaço de manifestação para pessoas oprimidas e injustiçadas? E que afirma atuar positivamente em situações de emergência e crise?

Não é esta organização que afirma construir uma ponte entre o mundo em que vivemos e o mundo que desejamos viver?

Eu escrevi reclamando, e recebi uma resposta vaga onde fui informada simplesmente que não sou obrigada a participar das campanhas da organização.

Respondi afirmando que isto mostra claramente que a Avaaz trabalha com dois pesos e duas medidas, e desta vez não obtive resposta nenhuma.

Diante disto, decidi não mais participar e nem apoiar as campanhas da entidade, já que para mim há um só peso e uma medida: OPRESSÃO, PRECONCEITO, BRUTALIDADE, INJUSTIÇA, É A MESMA PARA TODOS E PROVOCA AS MESMAS DORES E OS MESMOS DANOS, INDEPENDENTE DE IDADE, COR DA PELE, NACIONALIDADE, CULTURA, RELIGIÃO.

O mais importante disto tudo é o fato de que isto mostra que nós munaqabat somos mulheres fortes, atuantes e corajosas. Somos religiosas e temos orgulho de nossa religião, de nossas roupas, de nossa escolha.

Nós munaqabat estamos presentes em todos os países do mundo, inclusive aqui no Brasil, e vamos continuar a existir, a resistir, e a lutar por nossos direitos e por nossa liberdade, até o fim!

E nada vai nos fazer tirar os nossos niqabs, ao contrário, toda esta hipocrisia em relação a nós só nos torna mais fortes, unidas, coerentes com nossas escolhas, e certas de nossa identidade.

Que Allah abençoe o nosso esforço, e facilite os nossos passos.

Salam!

7 comentários:

Malik disse...

Minha irmã Gisele, Assalaamo alaiki wa rahmato Allah wa barakaatoh.

é com grande tristeza e um grande desconforto do meu coração eu experimentei a declaração da lei contra o uso do niqab, na verdade eu vivo em França e agora eu segui todos os meios de comunicação companheiro e ataque político niquab mulher, e declarar esta lei, e como eles são todos focado nisso e deixaram todos os grandes problemas na economia, educação, desemprego e insegurança. Na verdade, esses hipócritas eles são usados ​​este problema para ganhar uma parte da população francesa de alguns da extrema-direita (parte da Frente Nacional), com uma tendência para a anti-Islam, a islamofobia, e para atraí-los para votar no partido Estado, e esta tendência é observada em toda a Europa radicalmente.

A hipocrisia começa primeiro com o Estado francês é dito secular, e não intervir nas escolhas que as pessoas fazem sobre suas religiões, suas culturas e modo de vestir ... isso é verdade para todos, desde muçulmanos, todos são livres para fazer o que eles querem de um muçulmano, quando se trata de toda a queda máscaras muçulmano, ea hipocrisia é flagrante. A organização também AVAAZ agendat sou muito específicos e trabalha seguindo uma ideologia bem definida como uma ideologia globalista liberal, então é necessariamente vai ser contra tudo o que é islâmico, e eles não vão defender o Islão, tenho observado muito a sua maneira de lidar com problemas, especialmente quando têm uma petição para a Palestina, mas agora eu não confiar em seus.

Eu também quero te dizer que os muçulmanos aqui são a França não são muito deffendre juntos por seus direitos, e ao invés, por vezes, se a ajudar o Estado contra seus próprios irmãos e irmãs, as declarações não inofensiva, e isso me faz muito mal do coração para vê-los dividir assim, os muçulmanos nos USA ou para UK e até mesmo no Brasil são mais fortes e organizados.

Ao mesmo tempo estou muito feliz quando li o seu artcile, meu coração se acalmou aos poucos colocando o olho em seu maravilhoso artigo que claramente o quanto você está consciente dos problemas dos muçulmanos melhor do que alguns os muçulmanos, e também mostra como a sua personalidade é tão forte mash'aAllah e comprometida, e que ponto você é uma mulher moderna, mas mantendo os seus valores e seus princípios ea prática do Islã verdadeiro. se fosse um monte de mulheres muçulmanas como você, o mundo muçulmano é ainda melhor e vamos acordar mais rápido.

Que Allah vos recompense irmã Gisele fiAllah por Jannat al-Firdaws e Allah proteger os muçulmanos do Brasil e todos os muçulmanos ao redor do mundo. Baaraka Allahu Fiki:).

Your brother in Allah Malik :)

Denise Bomfim disse...

Salam, mana!

Mash´Allah! Fiquei emocionada com seu texto e, espero de coração, que sirva de alerta para muitos nesse mundo de Allah.
No ano passado refleti muito sobre a França: como um país que um dia disse: "Liberdade, Igualdade e Fraternidade" pode discriminar as munaqabas?
Como instituções que dizem defender os Direitos Humanos permanecem na imparcialidade?

Gisele, que suas palavras sejam apreciadas por muitos e elucidem a mente alheia, plantando a compreensão, a igualdade, a paz!

Um beijinho e ótimo domingo!
O sol está brilhando...

Visite meu bloguinho, quando puder.

Gisele Marie disse...

Aleikum Salam wr wb irmão Malik,

Eu quero dizer que a sua participação no meu blog é para mim uma dádiva e que você sempre enriquece o meu blog, espero contar sempre com a sua lucidez, e o seu testemunho como cidadão da França é importante e traz luz a este post.

Muito obrigada por suas palavras, eu sou apenas uma aprendiz, uma mulher simples, todos os louvores são sempre para Allah, Louvado seja para sempre.

Que Allah nos conceda cada vez mais a união entre nós muçulmanos, a consciência, a coragem para agir positivamente, que Allah abençoe o esforço de cada um de nossos irmãos e irmãs que lutam contra estas hipocrisias e que sofrem com opressão, discriminação, e brutalidade.

Que Allah te abençoe sempre, meu irmão.

Salam =)

Gisele Marie disse...

Salam mana Denise

Sua participação é sempre importante aqui também, e penso que cabe a cada um de nós muçulmanos e muçulmanas agir contra a injustiça, e denunciar a hipocrisia cometida contra todos, inclusive contra muçulmanos.

Que Allah nos conceda sempre a coragem e capacidade de lutar por nossos legítimos direitos.

Que Allah te abençoe sempre, querida irmã!

Salam =)

Andreza Hana disse...

Assalamu Waleikum irmã Gisele, MashAllah!! Eu tbm fiquei emocionada com o teu texto. Eu tbm fico chocada com a atitude da França em relação as munaqabas, isso é desumano demais.
Que teu texto sirva de alerta para que as pessoas aprendam a respeitar as diferenças.

bjiimm e ótima sexta-feira

http://meuamorpaquistanes.blogspot.com/

http://muslimahfashionn.blogspot.com/

Liandra Jordão disse...

Já que países da Europa fala tanto em governo democrático, eles deveriam parar para pensar se realmente estão sendo um exemplo para o resto do mundo. Na França pelo que a gente estuda na escola existem três conceitos, que é o de Igualdade, Liberdade e Fraternidade. Só que o que vemos não é nada disso, pois se fossem aplicados estes conceitos, haveria mais respeito entre as pessoas independente de sua religião,cor, etnia, etc.
A proibição do uso dos hijabs mostra que a França não é um país democrático e que respeita o direito de ir e vir das pessoas.

IK disse...

Assalamo alaykum irmã Gisele ,meu nome é Alexandre vi o link de seu blog no orkut , parabenizo a voce pelo mesmo ,mas venho aqui mais para comentar esta materia sobre a proibição do Niqab na França a chamada terra da igualité freternité e outras hipocrisias mais , e tambem em relação ao silencio da awaaz diante do fato (vergonhoso) é mais uma prova de que ha um ponto crucial em que mesmo sendo bonzinhos e cheios de boas intenções na hora H os defensores dos tais diretos humanos (pra mim illuminatis disfarçados) eles mostram suas garrinhas contra os muçulmanos