sexta-feira, 13 de maio de 2011

O que será que é o amor?


Afinal de contas o que é mesmo o amor?

Eu não sei. Muitas pessoas ao longo da história fizeram esta pergunta, às vezes de modo prático, outras vezes de modo empírico, mas eu não sei mesmo o que é o amor, como se sente isto, o que se sente, eu não sei, eu nunca senti amor...

Eu sinto amor por Allah, Louvado seja, em primeiro lugar.

Eu sinto amor pela vida, pelas minhas filhas, pelas lindas amizades que tenho, eu amo de fato a minha religião, a minha querida e amada Mesquita, mas eu nunca senti amor por um homem, este amor eu nunca senti, não acho que seja um tipo de amor, não acho que exista difentes tipos de amor, acho que amor é uma coisa só, eu sei que é, apenas ainda nunca me apaixonei de fato, ou senti amor por um homem.

Eu olho pela janela do meu quarto de vez em quando, e fico imaginando como será quando eu estiver apaixonada.

Mas tenho amigas que defendem a tese de que eu sinto sim, só que ainda tem esta parte de mim que permanece anestesiada.

Anestesiada porque? Medo de sofrer? Não, infelizmente não, é medo do que já sofri, da dor, da morte de ter sido massacrada e violada. E ao longo de todos estes anos eu tenho sido uma verdadeira guerreira e me sinto feliz por saber que eu venci a dor e superei muita coisa em minha vida, o termo “muita coisa” aqui ganha um sentido especial, porque é verdadeiro, porque é mesmo adjetivo que significa “uma grande quantidade”.

E eu me sinto feliz porque consigo me emocionar, porque eu sou de verdade emotiva e acho que até demais. Porque eu reconquistei a capacidade de sorrir de verdade, de acordar felizinha, de me sentir abraçada pela luz de todas as manhãs, porque me emociono com as minhas amigas e irmãs queridas, que são uma parte muito especial da minha vida, todas elas, sem exceção, porque me emociono com a minha vida, porque fico feliz quando as pessoas conversam comigo na rua tentando saber porque me visto assim, toda coberta, o que é ser uma muçulmana, o que é afinal o Islam que tanto me marca.

Eu me sinto feliz porque me emociono ao louvar a Allah em todas as minhas orações ao longo de todos os dias, é um momento especial em que me coloco diante de Allah, Louvado seja para sempre, que me encontrou destruída, e me restaurou para a vida, que me conduziu para fora do túmulo que se tornou meu berço, que me deu a capacidade de fabricar o antídoto certo para a anestesia que me fez congelada de dor e terror, de pavor, de horror diante da mão escura que invadiu meu ser.

Então eu sou a serva de Allah que foi feita guerreira e vencedora porque venceu todas as batalhas e depois de morrer diversas vezes se levantou com graça em vida e finalmente plena.

Mas quando se trata de amar um homem, eu ainda não sei o que é isto. Eu ainda travo a batalha dentro de mim para destruir para sempre a imagem do agressor.

Mas meu coração de menina ferida, embora já esteja cicatrizado, ainda guarda no fundo um tipo de medo ancestral. O medo do dinossauro que pode me atacar, o medo do leão na savanah que pode querer novamente rasgar minha carne e se alimentar.

Então eu fico como que anestesiada, e se sinto amor não sei porque a anestesia me impede de sentir, ou então não sinto nada, mas agora eu sou a guerreira que luta com todas as suas armas para vencer mais esta batalha, e derrubar o medo ancestral que ainda me anestesia.

No fundo eu ainda sou uma menina assustada, pequena e assustada. Eu sou muitas vezes forte e corajosa mas ainda existe em mim uma pequena menina que precisa de proteção, e que se sente vulnerável no meio de tantas unhas e dentes e olhos vazios e sedentos de alma e de água.

Por conta disto eu não sei de fato o que é o amor. Sim eu já fui muito amada, eu sei que sim, mas não sei o que é sentir o amor.

Mas eu sou guerreira, ultimamente eu penso o dia todo no meu Habibi, é a primeira vez que tenho uma ligação assim na vida. Eu sou uma muçulmana, e o meu Habibi é um muçulmano de verdade, e nossa relação é estranha ainda por conta de toda a distância mas mesmo assim nos vemos e nos falamos, e conseguimos manter a relação totalmente dentro dos conceitos da nossa religião.

Eu tenho fé em Allah que sendo esta uma relação islâmica, o Islam será mais uma vez o caminho seguro para mim, e que sendo assim e de acordo com as características islâmicas que tornam realmente linda e especial uma relação, eu acho que agora eu poderei deixar de estar anestesiada, e de fato sentir amor, talvez eu já sinta amor pelo meu Habibi, não sei direito, sei que penso nele o dia todo, todos os dias, que anseio estar em sua presença, que meu coração palpita mais forte e sinto o sangue circular em meu corpo quando o vejo na camera e quando penso nas coisas que ele me diz, que me arrepio quando me lembro de sua voz.

Meu Habibi tem a capacidade de me acalmar, e também se diverte com o meu jeito e me faz sorrir. Ele me encanta com lindos emoticons de corações e de flor, com estrelinhas brilhantes que fazem os meus olhos verdes brilharem para ele.

Quando desencontramos eu fico triste. E também preocupada com ele porque sou encanada e não gosto de ficar sem notícias e sem sentir a presença dele.

Eu sou também ciumenta, eu já avisei para ele sobre isto. Eu penso no meu Habibi...

 Eu penso no meu Habibi e me pergunto, afinal de contas, será que é amor? O que será que é de fato o amor?

Salam!

7 comentários:

Neide Barbosa Shah disse...

Que post lindo, fiquei emocionada!!!
Mas olha acho que é amor sim :)

Sahira Anish disse...

Salam Aleikon mana! Que post lindo é de se emocionar sim! O Islam nos traz para vida realmente! E te trará para o amor!! Que bom que ja tens um Habib que Allah abençoe vocês para estarem juntos e formarem um família feliz! Também acho que o q descreveu é amor!!! Que Allah te abençoe sempre!
Beijinho,
Sahira

Ursinhu da Juh =] disse...

Ah eu aprendi que amor é
Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
(1° Conríntios 13: 1 ao 7)

Sabe acredito que DEUS manifestou o amor perfeito e nós procuramos ao máximo demonstrar o amor como podemos. Afinal de contas não é fácil em alguns momentos, eu também sou um cadinho ciumenta e as vezes não consigo me controlar quando não concordo com algumas coisas. Tudo isso em dias de TPM então nem eu me aguento kkkkkkkkk., mas meu habibi já esta avisado que eu posso virar uma fera mais eu amo ele kkkkkk

Bjuu
Fica com DEUS =]

Neide Barbosa Shah disse...

Só queria complementar o que eu disse ali atrás, fiquei tocada com o post por que é doloroso de se ler pelas coisas que passastes. Mas a misericordia de Deus nao falha. Fez-te renascer. Ensinou-te o caminho que te p udesses lidar melhor com esta realidade. Sabe, as vezes eu penso que seu abraçar o islam eu estaria lavando a minha alma que em algum momento deixei que me fosse manchada. Que eu pudesse reconquistar a pureza da alma. Eu tenho essa forte sensaçao comigo. Desejo muita felicdade.

Anisah disse...

Asalamu Alaikum Wr Wb irmã Gisele...

Sou a irmã Anisah, você provavelmente não saberá quem sou, pois não me conhece pelo nome, mas ja tivemos a oportunidade de conversar. Tive também a chance de observa-la um pouco e tenho lido seu blog sendo essa a primeira vez que comento. Senti essa enorme necessidade de lhe dizer que admiro sua sensibilidade e sua capacidade de enxergar tudo de um ótica tão bela e com certeza prazerosa de ler.
Parabéns pelo blog, pois contém não só, muita informação sobre o Islam, mas também reflete sua personalidade singular.

Um Abraço e que Allah nos guie sempre na senda reta. Ameen

Anisah Abdul Kareem

Gisele Marie disse...

Aleikum Salam Wr Wb irmã Anisah

Realmente não a conheço por nome mas é minha irmã de fé e já a considero uma amiga tá bom? =)

Shukran por suas lindas palavras, que allah abençoe sempre a sua vida e a sua casa.

Salam!

Gisele Marie disse...

Irmãs e amigas queridas, eu me emocionei também ao ler os comentários de vocês, obrigada, que Allah abençoe sempre a cada uma de vocês.

Bjos. com carinho

Salam!