terça-feira, 19 de abril de 2011

No Centro de Tudo um Pouco


Pensei em escrever uma crônica sobre os últimos dias que tenho vivido, e como alguns devem ter observado, eu andei um pouco afastada do blog, das comunidades do Orkut das quais participo, e da internet enfim.

Nada me aconteceu para que isto ocorresse, apenas estou um pouco sem tempo, com muitos compromissos e providências a serem tomadas na minha vida.

Por conta disto, eu tenho ido muitas vezes ao Centro de São Paulo nas últimas semanas, e quem me conhece pessoalmente sabe o quanto eu amo São Paulo, e o quanto eu amo o Centro de São Paulo.

São Paulo é uma cidade maravilhosa, viva, imensa, uma imensidão. O mundo todo está dentro de São Paulo, e dentre os seus cantos e recantos, um de seus maiores encantos, é de fato o Centro, a zona central da cidade.

Tudo acontece no Centro. E para uma amante da história da cidade como eu, é um lugar especial repleto de contos e lendas da cidade.

Hoje foi mais um dia intenso em que fui ao centro depois da aula, a fim de resolver alguns assuntos que ando resolvendo em minha vida, sendo que hoje aproveitei para pegar a minha nova carteira de identidade como contei aí abaixo.

Aliás, antes do centro aconteceu um fato digno de nota: quando eu saí da minha faculdade, estava tranquilamente andando pela Rua Vergueiro, a fim de pegar o metrô na estação Vergueiro, quando alguém passou de carro e me chamou pelo nome! =O

Não tenho a menor idéia de quem seja, mas tenho a impressão de que fui reconhecida por ser uma munakaba, e como sempre estar vestida de chador e niqab rs...

Mas, vamos ao Centro!

Que explosão de vida é o Centro de São Paulo! Nele você encontra de tudo um pouco. Inúmeras lojas, restaurantes, o lindo e suntuoso Theatro Municipal, artistas da arte e da vida, pessoas de todos os cantos do mundo, cores e aromas, problemas e soluções, verdadeiras obras de arte em arquitetura, uma verdadeira multidão de coisas a se observar.

Eu sou observadora por natureza, ainda mais agora que sou estudante de psicologia...

Sou tão observadora que consigo fazer do fato de que sempre sou observada um motivo para observar o comportamento humano ao meu redor, ao me observar.

Sempre acontecem fatos interessantes comigo, e para mim é realmente um prato cheio observar estes fatos.

Uma coisa que me intriga muito é que, sempre que vou ao centro, mesmo estando inteiramente coberta, é muito comum acontecer de eu ser abordada, porém de forma educada e cuidadosa, por alguns homens! =O

É preciso lidar com isto, e entender também que talvez o fato de que é raro você ver uma munakaba nas ruas de São Paulo e o próprio fato de eu estar inteiramente coberta, aliado a este fato de ser raro uma munakaba por lá, talvez inspire mistério, algo "mágico", não sei.

Outra coisa interessante que sempre acontece é, basta eu entrar em algum lugar, ou parar em alguma esquina, para alguém vir conversar comigo e perguntar sobre o Islam, e sobre minhas roupas.

Realmente ser uma munakaba acaba servindo como um modo de se fazer Dawah, acho até que vou passar a andar com alguns folhetos da minha mesquita na bolsa para estes momentos.

Hoje dois rapazes me abordaram com muito cuidado, tentando descobrir se eu falava português, porque é comum pensarem que eu sou uma mulher árabe rs...

Quando descobriram que eu falava sim português, gentilmente me perguntaram se poderiam tirar uma foto comigo, ao que eu respondi que sim com simpatia. Eles tiraram a foto, me agradeceram e partiram sorrindo. =)

Eu fico feliz com isto, eu sinto que as pessoas em geral têm mesmo muito interesse em conhecer o Islam, e conversar com uma muçulmana, e sempre são gentis e educados comigo, onde eu estou, sempre há gentileza, ma sha Allah!

Bem, eu fiz o que precisava fazer, e fui embora. Quando eu estava chegando ao Largo de São Bento para pegar o metrô, vi de longe uma roda e, bem no meio dela o Rodela, um artista de rua que já esteve na televisão, fazia mais uma de suas apresentações.

Eu tentei ver um pouco, mas não consegui, porque bastou eu chegar perto e o show parou rs... porque todos passaram a olhar para mim. Ele me cumprimentou meio sem graça, eu fiquei vermelhinha de vergonha (sou tímida =S) e fui embora rs...

Salam!

Um comentário:

Neide Barbosa Shah disse...

Sem dúvida é um ato de coragem e devoçao á Deus. Fique sob o Olhar protetor Dele.