terça-feira, 27 de setembro de 2011

Munaqaba - O que é, porque é, e como eu me tornei uma...

Este é um post do tipo "dois em um"... ou talvez "três em um" então pode ser que ele fique extenso, vou tentar condensar ao máximo para tornar a leitura agradável.

Mas vamos lá! Yalla bina!!

Eu sempre gosto de lembrar aqui que, quando eu escrevo, estou escrevendo para todos, mas penso principalmente nas pessoas que não são muçulmanas, e também naquelas que estão conhecendo o Islam agora.

O meu blog tem duas funções principais:

01) Dawah;

02) Tentar traduzir em palavras a minha alma, a minha vivência, o que eu sinto e o que eu vivencio.

Neste sentido a linguagem aqui é a linguagem do sentimento e da vivência da vida, eu vivencio a condição de ser uma mulher dedicada a uma religião, a condição de ser uma muçulmana, a condição de ser uma munaqaba. Eu amo a Allah, amo o Islam, amo a vida, e a vivência + o que eu sinto são as matérias primas que eu uso para criar, e divulgar.

Eu sempre estou falando sobre o fato de eu ser uma munaqaba, e que eu tenho orgulho de ser uma munaqaba, e munaqaba isto, munaqaba aquilo, e vira e mexe alguém me pergunta "Mas Gisele, o que é uma munaqaba?"

Então vamos já logo de início responder:

MUNAQABA, é a muçulmana que usa niqab.

E NIQAB, é o véu que cobre o rosto.

Em algumas regiões e em alguns lugares, nós somos chamadas também de NIQABI, mas em resumo é isto, somos muçulmanas, e usamos niqab, o véu de rosto.

Outra pergunta que eu ouço muito é: "Mas tem diferença entre você e uma muçulmana que só usa o "lenço" na cabeça, por exemplo?"

Não, não tem. Não há "hierarquia" relacionada ao uso ou não do niqab, não sou nada a mais do que outras irmãs que não usam niqab, e muitas vezes sou é menos em termos de conhecimento, porque eu sou apenas uma aprendiz, e muitas irmãs sábias e experientes optaram por não usar niqab. Então somos todas iguais, não há nada como grau de sabedoria ou algo assim relacionado ao niqab.




E cores? Porque tem de ser sempre preto?

É... na verdade não tem de ser preto, na verdade nem sempre é preto, basta ver a foto aí em cima, o niqab é branco.

Existem niqabs de diversas cores, e estilos, existem niqabs que cobrem a face e são totalmente bordados, existem niqabs que apenas cobrem a boca, outros cobrem tudo integralmente, e isto é questão de escolha pessoal.

Niqab bordado em tecido rígido usado por mulheres de algumas tribos do interior do Iran

Eu uso preto. Muitas munaqabat (plural de munaqaba) usam preto, por escolha pessoal, por modéstia, por n razões diferentes, mas o preto não é obrigatório.

E o niqab é apenas o véu do rosto, ele não cobre o corpo todo. Geralmente usamos o niqab com abayas (vestido islâmico comprido de mangas compridas), ou com chador, também conhecido como isdal (este sim, uma vestimenta como um véu que cobre da cabeça aos pés), e este conjunto pode ou não ser complementado pelo khimar (seria como um hijab, o tal "lenço" de cabeça mais usado, porém muito mais comprido cobrindo em geral o tronco todo).

E não usamos niqab dentro de casa, só se estivermos recebendo visitas, e entre as visitas estiverem homens que não sejam parentes. Se eu estou na mesquita, no setor reservado a nós mulheres, eu tiro o niqab, se estou em minha casa só com parentes ou só com mulheres, eu não uso niqab nem chador nem nada disto. Só uso na presença de homens estranhos.

O meu noivo me vê sem niqab, ele é o único homem que não é meu parente e me vê sem niqab. Mas ele verá os meus cabelos e o meu corpo apenas depois de se tornar o meu marido. Em algumas regiões é comum o noivo ver os cabelos da noiva também, mas isto não é uma constante.


Eu já publiquei esta foto aqui no meu blog, eu gosto muito dela, é o tipo de chador que eu uso, combinado com o niqab

Agora, a grande questão mais popular de todas: "Nooossaaaa!!!! Você usa burca!!!"

Rs... eu ouço muito isto por aí, as vezes até de forma positiva, teve um dia que um motoqueiro que fazia entregas na minha rua parou a moto e me disse todo feliz "É a primeira vez na minha vida que eu vejo uma mulher de burca!". E ele estava tão felizinho que eu apenas compreendi e acenei para ele, ele foi embora todo contente.

Mas eu não uso burca, ou burqa... Burqa é outra coisa, um tipo de véu inteiriço encimado por uma espécie de touca ou taquia, com redinha cobrindo os olhos e sem espaço para as mãos, geralmente. Munaqabat usam niqab, não burqa, sim? Que fique bem claro, e na verdade eu acho que o uso da burqa é de fato muito restrito ao Afeganistão, pelo que eu observo. Em geral mulheres afegãs apenas usam burqa.


Isto sim é burqa. Como vocês podem ver, é diferente do que uma munaqaba usa

Bem, digo tudo isto, vamos agora entrar no campo da polêmica geral!

Muitas pessoas me perguntam se eu sou obrigada a usar, se muçulmanas são obrigadas a usar o niqab. Esta é uma pergunta com uma resposta muito complicada! Porque a questão é polêmica mesmo dentro da comunidade Islâmica, e mesmo entre os Sheikhs e sábios do Islam.

As respostas são variadas, vão desde quem defende que niqab não é islâmico até quem defende que o uso é sim obrigatório segundo o Alcorão e a Sunnah.

Eu pessoalmente escolhi com muita alegria em meu coração usar o niqab, então para mim não importa muito esta discussão porque de um jeito ou de outro, eu escolhi usar, eu uso, e eu vou usar para sempre.

E a minha opinião pessoal é que não cabe a nós muçulmanos a interpretação e decisão sobre esta questão, e sim aos estudiosos habilitados para isto, os Sheikhs e os sábios que estudam durante anos para poder dar decisões e emitir fatwa com base na interpretação fundamentada do Alcorão, e dos ahadith da Sunnah. Deste modo eu acho totalmente errado alguém afirmar com todas as letras que o niqab é sim obrigatório e ponto, da mesma maneira que eu acho um absurdo total alguém afirmar que o niqab não é islâmico, ora se os sábios e estudiosos não têm um consenso sobre isto, quem somos nós para decidir sobre a questão?

Agora eu vou colocar aqui um link de uma matéria, mas esta matéria defende a visão de que o niqab é obrigatório, baseada em interpretações seguras. Eu acho que pode-se opinar com base em fatwa e opiniões de quem deve fazer isto, os sábios, pela obrigatoriedade ou não, mas cito esta matéria apenas como exemplo de como a questão é mesmo polêmica, voltando a ressaltar que no meu caso não há muita importância porque eu escolhi e não vou parar de usar o niqab. Trata-se de um excelente texto do site RELIGIÃO DE DEUS - A VOZ MUÇULMANA NA INTERNET. Vale a pena ler este texto e conhecer este ótimo site:

Porque eu uso niqab? Porque eu concordo com o que foi explanado neste texto.

Porque é a minha escolha e a minha forma de expressar a minha modéstia.

Porque é a minha forma de mostrar a minha submissão e entrega total a Allah.

Porque é a minha marca como uma muçulmana, porque para mim é lembrança constante da vida que eu escolhi, uma vida totalmente islâmica, porque para mim traz a lembrança constante de Allah em tudo o que eu faço, em todos os lugares que eu estou.

Estas são as minhas razões pessoais, e eu sinto orgulho, e alegria constante, por ter conseguido atingir o meu objetivo de ser de fato uma munaqaba.
E como eu me tornei uma munaqaba?

Bem, foi assim... Eu sempre fui fascinada pelo uso das roupas islâmicas. Mas eu nunca imaginei que um dia eu seria uma muçulmana de rosto coberto.

Conforme eu já contei em alguns posts recentes sobre a minha reversão, eu me reverti ao Islam em 19 de outubro do ano passado e durante algum tempo eu permaneci sozinha adaptando a minha vida até que a Halima entrou em contato comigo e se ofereceu para me apresentar a Mesquita do Pari. E acontece que ela é uma munaqaba e isto sempre me fez ficar fascinada pelo blog que ela tinha. Eu mergulhava em leituras que me faziam viajar para outros lugares no blog dela, antes de me reverter ao Islam e ter ela como minha amiga, mas quando nós nos conhecemos ela havia acabado de voltar do Oriente Médio, onde residiu por algum tempo com o marido dela, e ela não estava usando niqab aqui no Brasil, em parte por receio de usar por aqui, em parte porque nós munaqabat somos de fato raras até hoje no Brasil.

Mas ela tinha vontade de voltar a usar, e eu sempre disse a ela que se ela precisasse de companhia para sair de niqab, poderia contar comigo.

Um dia, ela me fez uma proposta: visitarmos a exposição ISLAM - ARTE E CIVILIZAÇÃO, em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil, no centro de São Paulo, de niqab e chador!

Eu topei na hora, e este dia foi o primeiro dia em que eu usei niqab na minha vida!

E o fato é que eu gostei muito da experiência. Foi como se eu tivesse nascido para ser uma munaqaba, me senti especialmente confortável e à vontade com o chador e o niqab, e decidimos repetir esta experiência e fazer outros passeios de niqab.



Assim fizemos, e eu acabei por encomendar um niqab com a Iqbal, nossa irmã querida que vende hijabs e faz roupas sob encomenda lá na Mesquita do Pari.

Eu disse para eu mesma "No dia em que eu atravessar a porta da minha casa de niqab, eu nunca mais vou parar de usar." E foi o que eu fiz! Eu recebi o meu niqab na mesquita, lá mesmo o coloquei, e nunca mais parei de usar. Alhamdulillah!

Eu sei que aqui no Brasil, pelo fato de sermos raras, e pelo fato do Islam ainda estar crescendo por aqui, a minha presença é sempre marcante sim por onde eu passo, mas no meu caso pessoal, em geral as pessoas olham para mim com olhar de admiração, e simpatia, e além disso se interessam por falar comigo, em especial as crianças, eu agradeço a Allah por isso e sei que se isto acontece comigo é por obra e graça de Allah.

E além disso, volto a repetir uma lição que eu aprendi um dia: O MUNDO SEMPRE REAJE DE ACORDO COM A MANEIRA COMO VOCÊ AGE.

Salam!

13 comentários:

Denise Bomfim disse...

Salam, mana!
Mash´Allah, Mash´Allah! Mash´Allah!

Que tal escrever um livro com os seus posts? Seria muito esclarecedor, o que acha?

Ila Liqaa

Gisele Marie disse...

Salam, minha querida irmã!

Aaah, eu gostei da idéia tá bom? Mas talvez eu esteja escrevendo um livro, só que aqui no meu cantinho =)

Quem sabe um dia não acabo editando ele em versão impressa?

Allah sabe mais. Se tiver de ser, se Ele assim determinar, será!


Que Allah te abençoe sempre.

Salam! =)

Taciana disse...

Salam Gisele,

eu lendo esse seu post, o qual gostei muito, me lembrei de historia que aconteceu com uma amiga na faculdade aqui no Egito. Ela eh egipcia e munaqab, conheceu um rapaz na faculdade, alias na mesma sala que a nossa, e eles resolveram que queriam se casar assim que o curso acabasse, enfim, no dia da apresentacao das familias (dia em que o pai do rapaz pede a mao da moca ao pai dela), ele, o rapaz, solicitou a mae, a irma, a tia e a prima (coisa normal levarem a parentada toda hehehe) que a noiva as acompanhasse ate o quarto dela pra q ela tirasse o niqab e a abaya, e nao ficou so nisso, tb queria que a mulhereada verificasse se ela tinha um corpo bonito, dentes sadios e cabelo bonito. Eu fiquei chocada qdo ela me contou e disse que isso eh muito comum acontecer com as munaqabat rss. No caso dela, como ela mesmo disse, passou no teste hehehe. Mas existem historias de mulheres que foram rejeitadas pelos rapazes depois da familia constatar que a moca nao era exatamente como o rapaz imaginava e ainda depois de desfazer o "namoro" o rapaz e a familia sair espalhando que a moca usa niqab pra esconder a feiura. Afinal, sao eles mesmos que dizem que os atributos fisicos sao os que menos importam, que mulher boa pra casar eh aquela que eh religiosa.. Eu fico pasma com as coisas que acontecem aqui rs

beijos

Gisele Marie disse...

Salam Taciana,

Eu já ouvi falar sim deste costume, e eu não tenho certeza se isto é sunnah e está dentro dos conceitos islâmicos, porque sempre há a parte que é cultural, e não religiosa, principalmente em sociedades cujos governantes propositadamente buscaram a corrupção e afastamento do Islam.

Agora, quanto à parte de sair falando mal da moça caso ela não seja aprovada, isto é haram, é fitah, é abominável perante Allah e lamento que isto aconteça por aí.

Mas de qualquer forma, eu acho que o noivo tem sim o direito de ver o rosto da noiva ao menos durante o noivado, e acho estranho que o noivo não tenha feito isto antes.

Quando eu fiquei noiva, eu consultei o Sheikh da minha mesquita à respeito disto e eu e o meu noivo procuramos seguir o Islam à risca, de forma que ele vê o meu rosto sempre, só não vê os meus cabelos e corpo porque isto é recomendável só depois do casamento.

Para mim é bem interessante saber destes costumes sociais aí no Egito, porque é provável que eu vá morar aí com o meu noivo depois do casamento.

Que Allah te abençoe sempre.

Salam!

Neide B. disse...

Ola Gisele, tentei mandar um email p voce,mas diz que ta invalido

Gisele Marie disse...

Salam Neide B.

Olha, eu fiz testes aqui e meu mail mostrou funcionamento normal, tem certeza de que digitou o mail corretamente? Meu mail é gimarero@yahoo.com.br

Bem, se você puder, tente de novo tá bom?

Salam

Gisele Marie disse...

Ah, só complementando, por alguma razão que eu desconheço, o seu comentário foi marcado como spam, então verifique o seu computador porque o problema pode ser aí viu?

Salam

Juliana disse...

Oi Gisele,
Gostaria de dar uma sugestão de um post ou vários.
Como vc mesmo já falou aqui no blog, vc é mãe, e pelo que pude ver, uma das poucas blogueiras muslimahs qeu são mães.
Gostaria de saber se vc educa sua filha dentro do Islam e se sim, como é essa jornada pra vc e ela.
Acho que seria de grande ajuda para aquelas mães que passam por aqui pra aprender mais sobre o Islam e o camino que Allah nos ensina no Alcorão e que devemos passar adiante para nossos filhos.
Seria muito legal poder saber o seu ponto de vista sobre a educação dos filhos dentro do Islam e quais são suas experiências nesse assunto com sua filha!

Salam
Juliana Vetromille

Fernanda (kholoud) disse...

Salam Waleikom irmã Gisele, tudo bem?
Acabei de ler este seu post e vim elogia-lo! Acho de EXTREMA IMPORTANCIA alguem explicar tão bem explicadinho, nos minimos detalhes sobre o niqab. Ouvimos muitas criticas de ignorantes a respeito desse assunto, principalmente no sentido de "serem mulheres oprimidas". Qto mais gente ler esse post, melhor. Ja passou da hora das pessoas entenderem que isso é uma opção pessoal. Amei o post e se vc me permitir, quero compartilhar seu blog entre minhas (MUITAS) conhecidas, amigas, clientes, parentes muçulmanas (e não muçulmanas tambem - o que é de extrema importancia).
Simplesmente adorei o post!
Um beijo!

Gisele Marie disse...

Aleikum Salam mana Fernanda, eu fiquei muito feliz com o seu comentário e sim sim vc pode compartilhar este post com todas as pessoas que vc conhece sim tá bom? =)

Que Allah te abençoe sempre irmã!

Salam. =)

♀♥ كيارا ♥♀ ♀♥ Kiara ♥♀ disse...

O niqab não deixa de ser bonito, embora eu ache que preto, deixe o visual pesado. Legal é um de cor clara ou um coloridinho discreto. Mas é opinião minha!


Eu sou uma leiga no Islã, daquelas que baixaram o Alcorão em .pdf recentemente! Penso em me tornar muçulmana, mas tou conhecendo primeiro, para ter certeza do que quero. Posso não me tornar, mas a minha visão sobre o Islã está mudando para sempre e para melhor! Sempre procurei ter a mente aberta no que diz respeito às religiões, para conhecer, diminuir preconceitos e tal...

Mas ó, achei engraçada essa foto do "esta sou eu" :D Bem criativa rsrsrsrs

Gisele Marie disse...

Salam Kiara, que a paz de Deus esteja com você.

Lendo o seu comentário, parecia que eu estava lendo a narrativa da minha própria história, porque eu também não sabia se me tornaria uma muçulmana quando comecei a ler o Alcorão, mas fui arrebatada por ele de uma forma impressionantemente forte, que me levou a um novo capítulo da minha história, a uma nova vida de fato...

Que Allah te encaminhe à senda reta e abençoe todos os seus dias, eu ficaria imensamente feliz de ter você como mais uma nova irmãzinha de fé, tá bom? =)

Linda a gravura não? =) duas munaqabat fofas demais =D...

Salam!

Anônimo disse...

Bem, estou chegando atrasado no post, mas vou deixar um comentário.
Tenho 21 anos, moro em Santa Maris, Rio Grande do Sul e não sou muçulmano, mas tenho grande simpatia pelos costumes islâmicos, principalmente pelo vestuário feminino dentro do islã. Aos meus 19 anos conheci aqui na cidade uma família de imigrantes palestinos, quando eu trabalhava por um curto período no caixadum supermercado e tive a oportunidade de cumprimentar as dignas senhoras que vestiam hijab (pois seus rostos estavam à vista) e também fiquei todo feliz por conhecê-las, e sempre com muito respeito. Entendo que no Brasil seja complicado, de certa maneira, ser islamita, porque o povo brasileiro em geral desconhece a cultura, confunde informações que ouve esparsamente na televisão e não sabe lidar com essas diferenças de costumes. Se um dia eu pudesse, casaria com uma munaqaba, com chador, khimar, etc, todos os véus possíveis... mas como não sou da religião, fica complicado, creio eu. Ainda assim, é inegável que um blog destes, escrito por uma mulher, em determinados países islâmicos, não seria tão fácil de manter, porque a sociedade de tais países é sim bastante rígida e, embora em nosso país haja facilidades para as mulheres muçulmanas em geral, isto se deve ao fato do "sistema" brasileiro de "gerir" os assuntos religiosos, culturais etc por aqui. De todo modo, quero deixar (e já deixei) exposta minha opinião sobre o assunto, desejando muita harmonia, respeito e solidariedade para todos nós.
Obrigado.